Música para Espaços Cinematográficos

palavras chave: banda sonora: unidades semióticas temporais; modalidades musicais; símbolos, índices e ícones sonoros; "espaços" cinematográficos

Seguidores

segunda-feira, 16 de março de 2009

Então?

Alguém aconselha um bom filme que ande por aí...?
Tem boa banda sonora?
-
Há dias encontrei o "Do outro lado" - filme alemão - aqui no Video Clube. Talvez também encontrem num video clube perto de vós.
-
-
Gostei muito de ver no cinema. Música discreta, mas inserida de modo interessante.
Entretanto o último que vi foi o "Coraline...". Acho que gostei mais eu que os miúdos... Um deles teve mesmo medo, mas não foi por causa da música...

sábado, 21 de fevereiro de 2009

Amantes do oboé...

Amantes do oboé (conheço alguns), não percam a banda sonora de "O Leitor"!
Amantes de bons filmes (conheço mais), não percam todo o filme!

Embora não me recorde de muito do que se passou musicalmente durante o filme, houve momentos em que pensei que é, mesmo para concerto, música boa.

quinta-feira, 12 de fevereiro de 2009

Analepse...

... para o artigo que lançou o blog

Disponível aqui:
http://www.bocc.ubi.pt/_esp/autor.php?codautor=1620

Helder

sábado, 7 de fevereiro de 2009

Milk

Tentando recordar o que ouvi há umas semanas e filmes atrás, cá vai o que pensei sobre a banda sonora do "Milk":
Riqueza na abordagem musical, desde logo pela inclusão de música diegética (que alguém, em cena, põe a tocar), mais notoriamente com a ária de ópera, que se chega a misturar com música não-diegética. Esta mistura, ao contrário do exemplo falado em "A Expiação", não produz uma sincronização harmónica: o resultado é MESMO duas músicas ao mesmo tempo: a música operática funciona como um significante da pessoa Milk, ao qual se adiciona uma "música de banda sonora".
Cortes bruscos nas músicas acentuam algumas das elipses que marcam o filme, nomeadamente nos regressos a planos relacionados com a gravação- "testamento" que Milk efectua em sua casa.
Alguns ambientes sonoros fazem prever, logo desde início do filme, um final trágico, que será marcado pelas heróicas sonoridades dos "metais americanos", um dos poucos momentos em que o filme soa a "hollywood". Diga-se, no entanto, que o trabalho de Danny Elfman soube sair do reconhecível tom "Batmaniano" ou "Nightmareano" (lembro - atenção - que "Nightmare before Christmas" foi o filme que mais vezes vi), que muito dificilmente se enquadraria na estética "Van Santiana" (isto já vai com muitas aspas....). Pessoalmente detectei aquele tom Elfmaniano num ou outro momento e pareceu-me desadequado e "fora". Mas em bons momentos me fez lembrar outros tons (não orquestrais), como os criados por Danny Elfman e por mim escutados em "Wanted" (Procurado) e que, com timbres mais eléctricos, dão um acompanhamento sonoro mais moderno ao enredo.
Não foi surpresa para mim ver o nome de Van Sant na lista dos "sound-remixers" uma vez que se notam semelhanças com o pensamento musical existente nos filmes dele referidos de início neste blog. Desde logo continua sendo muito interessante o aproveitamento de música já existente (continuo ainda sem saber se as escolhas são do próprio Van Sant ou de um tal L. Schatz que colabora com ele, como sound designer). Particularmente feliz é a escolha de uma gravação dos Swingle Singers, que empresta as suas versatilidade e capacidade humanas (são vozes cantando música instrumental) à criação de uma imagem de "capacidade de engendramento". Esta imagem fica ligada ao "espaço interior" de Milk, quando este planeia abrir a sua loja de fotografia. É muito interessante constatar como aquele material vocal é completado por outro, original, também com timbres vocais, por forma a completar a duração do mencionado plano. Num rico paralelismo temos "footage" (filmagens da época) e recriação de ambientes, fílmicos e musicais.
Termino mencionando a habitual estratégia de adicionar tensão à música através, por exemplo, de lentos tremolos de 3ªs menores ou de um adensar da textura - criando uma sensação de "a caminho de" (= UST trajectória...) - quando todos aguardam os resultados das eleições.
Ficou-me na memória um filme muito dinâmico, para o qual a música muito contribuiu pelo facto de quase sempre darmos conta que ela lá está.


Atonement


quinta-feira, 22 de janeiro de 2009

Entretanto...

Irá estrear o Milk , de Gus Van Sant, na próxima 5ª feira. Prevê-se uma abordagem musical diferente (comparando com os filmes que mencionei anteriormente), já que é Danny Elfman o compositor de serviço.
Sabiam que este compositor não sabe ler nem escrever pauta musical?? Pois é! Soube isto por um professor americano, que também esclareceu quanto aos balúrdios que este pessoal ganha... Sortudos!!! e não só...

Assim que possível acrescentarei as minhas opiniões sobre o filme "Expiação". Tenho que encontrar a primeira folha do que escrevi sobre isso. Ainda por cima são da parte que mais gostei, a inicial, onde há umas sincronias muito giras entre música e movimentos de câmara.

Até breve!
Helder

segunda-feira, 3 de novembro de 2008

Intromissão 1

Desta vez trago um pequeno filme. E pergunto: Se isto tivesse música, que tipo de música seria? Se possível especifiquem os instrumentos/timbres ou outros aspectos como a textura ou as harmonias/desenhos melódicos, etc...
Para mim este filme tem um significado, que não será o mesmo que vocês retiram da visualização. Após a vossa colaboração tentarei fazer o som seguindo as vossas opiniões.
video

Até breve!

Helder